Economia, Meio Ambiente, Valoração Ambiental e Políticas Públicas

Patrízia Raggi Abdallah 

 

Durante muito tempo, à categoria do "Econômico" entendia-se como aquela referente ao conjunto de relações estabelecidas pelos homens em suas atividades de produção, de consumo e de troca. Neste contexto, o Meio Ambiente era considerado como uma "realidade externa" ao objeto da Economia. Nos últimos tempos, essa concepção de Econômico veio sendo modificada, face  a uma inerente evolução científica nesse campo de conhecimento, propiciando a integração do Meio Ambiente à Economia, tanto em termos conceituais como em termos de ferramentas (numa perspectiva analítica). Em Economia Ambiental, essa discussão passa pela atribuição de preço ao meio ambiente, aos recursos naturais, uma vez que eles sempre foram considerados bens gratuitos. Para sair dessa concepção de gratuidade, passa-se a valorar o Meio Ambiente, atribuindo-lhe um preço. Uma outra forma de observar esse tema passa pela discussão de como os impactos ambientais podem ser mensurados, ou seja, como determinar valores do meio ambiente que expressem os custos de degradação e de exaustão.

Agregando maiores conhecimentos nesta linha de pesquisa, também há a preocupação quanto ao conhecimento das políticas públicas e seus efeitos sobre o uso dos recursos naturais. Nesta perspectiva, releva-se a questão de direitos de propriedade, livre acesso, bens públicos, que merece atenção no âmbito da discussão política. Assim, também importante nesta linha é o entendimento, caracterização e estudo das políticas públicas que atuam incentivando a exploração dos recursos naturais e ambientais, dos bens e serviços ambientais, bem como aquelas que atuam regulamentando seus usos, ressaltando o caráter racional e sustentável da exploração.

Assim sendo, nesta área de estudo/atuação trabalha-se com ênfase no estudo da atribuição de preço do meio ambiente, com a conceituação e internalização de externalidades, dando ênfase aos avanços teóricos da Economia Ambiental (metodologias de valoração econômica do meio ambiente) e também, do lado da política pública, com análises e avaliações direcionadas a propostas de políticas públicas alternativas que atendam metas e ações orientadas para o melhor uso dos recursos naturais, considerando a sustentabilidade desses recursos